AMO-TE MUITO MEU AMOR... TE JURO


Amo-te muito, meu amor... te juro,
Não me faças sofrer mais, nesta solidão.
Amo-te muito, meu amor... inseguro,
Corre-me nas veias a minha paixão.

Amo-te muito, meu amor... te asseguro,
Que o tempo seja, a minha vitória, salvação.
Amo-te muito, meu amor... é puro,
Vida que me tens na tua mão.

Amo-te muito, como um inocente imaturo,
Que está peso, sem saber ao certo, porque razão,
Com uma sofreguidão, para saltar o muro.

E se por te amar assim, é caso de prisão,
Que seja leve, a minha condenação, que eu aturo,
Com devaneios, louco desejos de emoção.

António Almeida