MÃE, OH! MINHA QUERIDA ADORADA


Mãe, oh! Minha querida adorada, 
Oh! Minha inegável diva, de onde eu vim. 
Tu és, para mim, a mulher mais sagrada, 
A ímpar Deusa, que vive em mim. 

Minha mãe! Minha mãe! Afoitada, 
Lutadora implacável, contra a vida ruim. 
Que de tantas vitórias, glórias nada, 
Continuando ainda, lutando assim. 

Parabéns Mãe! Minha querida amada! 
Hoje é o teu dia, dia da mãe, dia de festim, 
Aos olhos do mundo, leal, celebrada. 

E podes acreditar, meu amor, sim; 
Mulher mais bonita, não há, nem sonhada. 
Ai! Como te amo, minha mãe, sem fim. 

António Almeida